Posts com Tag ‘Diversidade sexual’

heteronormatividade

Edmundo, o eterno Animal do futebol brasileiro é pai de Alexandre Mortágua, filho gay do relacionamento entre o jogador e a ex-modelo Cristina Mortágua. Houve até problemas com sua mãe que o agrediu e foi parar na delegacia, mas o caso aqui é outro.

Edmundo que já assumiu que comeu muito gay por aí foi entrevistado pela maravilhosa Marília Gabriela no De Frente com Gabi e entre futebol e profissão de comentarista a apresentadora pergunta ao jogador sobre a homossexualidade de Alexandre:

Eu vejo de forma tranquila a sexualidade dele. O que me importa é comportamento e eu já falei isso pra ele. Eu acho que ele tem que ter um comportamento natural na sociedade, de roupa, trejeitos… que condizem com o que ele é‘.

O jogador completa a pergunta, após Marília Gabriela perguntar se isso não é preconceituoso: ‘Nosso país, o mundo, é preconceituoso. Por mais que hoje a gente conviva com mais facilidade com isso, eu acho que se você tem sua opção [AFF] entre 4 paredes, você tem mais facilidade de ser feliz do que quando você tem essa opção [AFF] exposta a todos‘.

Até que ponto essa afirmação sobre o filho é preconceito disfarçado de aceitação? Porque gays másculos são aceitos e os efeminados tem que ‘virar homem‘? A heteronormatividade é preconceito disfarçado de aceitação, pura e simplesmente.

Para quem não conhece o termo heteronormatividade ele significa que tudo que for diferente da heterossexualidade é errado, já que qualquer tipo de sexualidade, identidade de gênero ou papel social que fuja dessa regra imposta é considerado errado sendo a heterossexualidade considerado com a única sexualidade normal.

O que dizer de um menino que desde pequeno se mostra delicado e sensível, ou um menina que demonstra ser masculinizada? Eles estão fora dos padrões de normalidade já que beiram a identidade de gênero ou papel social.

Não precisamos nos encaixar nos moldes que a sociedade nos impõe. A diversidade sexual é rica e há milhares e milhares de nuances entre as pessoas, mostrando que não há ninguém igual nesse planeta. Sou a favor de cada um assumir e ser aquilo que realmente é: másculo, delicado, sensível… o que quer que seja, desde que seja sincero, não com os outros, mas consigo!

Assista a entrevista com Edmundo no De Frente com Gabi. A parte onde ele fala sobre seu filho gay começa por volta de 7:20min

Boxeador Orlando Cruz assume que é gay

O campeão latino da OMB, o boxeador Orlando Cruz assume que é gay! É o primeiro a assumir sua homossexualidade enquanto ainda está nos ringues. ‘Tenho orgulho de ser gay‘, disse ao jornal USA Today.

Na década de 90, outro boxeador assumir que era LGBT, o bissexual Emile Griffith disse a Sports Illustrated que curtia homens e mulheres, mas até então ele já estava aposentado e esperou isso para finalmente sair do armário.

Tento ser bom um exemplo para as crianças, que vejam o boxe como um esporte e uma profissão. Estou lutando há mais de 24 anos, quero continuar crescendo e preciso ser fiel comigo mesmo‘, disse o boxeador.

Sempre falo sobre a importância de figuras públicas de peso assumirem sua homossexualidade. É através de exemplos de sucesso profissional e pessoal que muitos gays e lésbicas passam a ver sua própria diversidade sexual como mais uma característica natural no gênero humano.

Pessoas como Ricky Martin, PinkIan McKellen, Billie Joe Armstrong, o jogador de futebol David Testo, o jogador de rugby Gareth Thomas e tantos outros são exemplos que devemos tomar em nossas vidas. Pessoas reais que não se escondem atrás de uma falsa heterossexualidade, mas assumem para si e para o mundo seu verdadeiro eu.

E ae, vai chamar o boxeador de ‘viadinho’?

[Sugestão da linda a @AnaVanolli do Sexo, Rock ‘N Roll]

Rainbow Links #19

Publicado: 28/09/2012 por @peagapenalvez em Rainbow Links
Tags:, , , , ,

Chegou a hora dos links que os gays gostam! Só tem coisa interessante!

A Verdade Nua e Crua – Tá sabendo da novidade?

Cintura Larga – De batom verelho

Conselho Municipal de Atenção à Diversidade Sexual

Amanhã acontecerá no auditório da Secretaria Participação e Parceria de a eleição dos novos integrantes do Conselho Municipal de Atenção a Diversidade Sexual de São Paulo.

Os candidatos puderam se inscrever e foram aceitos gays e lésbicas acima dos 18 anos de idade e residentes no município por pelo menos dois anos e podiam se candidatar em um segmento LGBT ao qual pertence. Serão escolhidos 3 representantes de cada segmento [2 titulares e 1 suplente]. Cada candidato precisou mostrar que faz parte de algum tipo de militância gay.

Para votar, os eleitores deverão morar em São Paulo ou possuir título de eleitor emitido na capital, apresentar à comissão eleitoral comprovante de residência original e nominal. Poderão votar, uma única vez, em apenas um candidato referente à vaga de um segmento distinto.

A eleição será decidida em turno único. Caso haja empate, a decisão do cargo será tomada através de sorteio. Se nenhum candidato atingir o número mínimo de votos [05] a vaga não será preenchida.

A contagem dos votos será feita, no mesmo dia, ao fim da votação em lugar visível e diante de quem estiver presente. Os resultados serão divulgados em um prazo de até trinta dias pelo Diário Oficial.

Tá afim de escolher seu representante no Conselho Municipal de Atenção à Diversidade Sexual? Bora encher o auditório e mostrar que não somos apenas um rostinho bonito! Aviso que não me candidatei porque minha vida anda muito atribulada, mas daqui 2 anos, quando mudar a galera estarei lá e precisarei do voto de todos vocês.

| SERVIÇO |
| QUANDO? | 22 de setembro
| ONDE? | Rua Líbero Badaró, 119
| QUE HORAS? | das 9h00 às 19h00.

Estatuto da Diversidade Sexual - Gays Gostam

O Anteprojeto do Estatuto da Diversidade Sexual foi elaborado por diversas pessoas e contou com a participação de 60 Comissões da Diversidade Sexual das Seccionais e Subseções da OAB, apesar da redação do texto final não finalizado, foram ouvidos diversos movimentos sociais e encaminhadas mais de duzentas propostas e sugestões.

O Projeto foi elaborado no formato de microssistema, como deve ser a legislação voltada aos segmentos vulneráveis. Conta com 109 artigos distribuídos em 18 sessões.

Estatuto da Diversidade Sexual - Gays GostamAlém de consagrar princípios, traz regras de direito de família, sucessório e previdenciário e criminaliza a homofobia. Aponta políticas públicas a serem adotadas nas esferas federal, estadual e municipal, além de propor nova redação dos dispositivos da legislação infraconstitucional que precisam ser alterados.

Art. 1º – O presente Estatuto da Diversidade Sexual visa a promover a inclusão de todos, combater a discriminação e a intolerância por orientação sexual ou identidade de gênero e criminalizar a homofobia, de modo a garantir a efetivação da igualdade de oportunidades, a defesa dos direitos individuais, coletivos e difusos.

Se interessou? Se Joga AQUI que tem o Estatuto da Diversidade Sexual completo!

Já aderiu a Campanha? Acesse a petição pública e assine: http://bit.ly/IYDpuG

As transexuais alemãs têm muito o que comemorar. Em decisão única no tribunal alemão ganham o direito a implante de silicone custeado pelo seguro saúde mas apenas os casos onde o tratamento por hormônio não surta efeito ou alcance o tamanho de uma lingerie. Não para por aí! As transexuais também podem incluir no tratamento procedimentos cirúrgicos em órgãos [mesmo que saudáveis] para evitar algum sofrimento psicológico.

Não sei como é ser uma transexual, mas sinceramente tento me colocar no lugar delas e entender o tipo de sofrimento que é viver em um corpo que não condiz com seu gênero. Imagine olhar todo dia ao espelho e ver algo que desagrada? Não falo de probleminhas bobos como gordura localizada, espinha, estrias, etc… falo de algo ~muito~ mais complexo. Já viu o post da coluna TRANSformando dessa semana? Lá tem um vídeo incrível com a Maitê Schneider e sua luta para readequação de gênero.

Tudo iniciou com uma transex de 62 anos que teve o tratamento hormonal e cirurgia de mudança de sexo paga pelo plano de saúde, porém seus seios não cresceram em proporções femininas e a empresa se negou a pagar um implante de silicone.

A companhia perdeu a causa, abrindo precedentes para outras transexuais realizarem o implante de silicone caso o tratamento hormonal não dê certo.

E viva a diversidade sexual!

FRee São Paulo Revista Homofóbica

Ano de eleições é uma verdadeira guerra entre fanatismo religioso e liberdade. Tivemos dois casos de jornais que comprovam que algumas mídias brasileiras deixaram seu lado informativo e imparcial para atacar gays e lésbicas baseados em seus dogmas religiosos, como o caso de Joinville e também de Pernambuco, ferindo os direitos gays.

Agora chegou a vez da revista Free São Paulo mostrar seu lado mais obscuro e doente com uma matéria de capa onde mostra porque não votar em determinados candidatos a prefeitura de São Paulo. Entre os motivos citados pela revista para não votar nos candidatos está o apoio a diversidade sexual.

Eu chamo essa matéria de perigosa e irresponsável. Se apoiar direitos iguais é motivo para não votar em alguém, qual seria um motivo plausível para se votar? Se pensarmos como esse folhetim de 5ª categoria devemos votar em candidatos que lutem pela caça aos judeus, escravização de negros, esterilização de deficientes mentais, a volta da ditadura ou a Inquisição!

Essa matéria lastimável é um retrocesso na luta pelos direitos iguais, sejam eles gays ou de qualquer outro grupo minoritário no Brasil que busca respeito.