Posts com Tag ‘Asilo’

Envelhecendo…

Publicado: 18/06/2010 por @peagapenalvez em gay
Tags:, , , , , , , ,

Olá meninos, eu descobri o blog de vocês faz um certo tempo, e graças a ele passei a me aceitar mais, ver que não sou único no mundo, e que tem muitos mais gays por ai com dúvidas como as minhas. Sei que sou novo e tenho muito a aprender, e muitas coisas tenho aprendido aqui com vocês. Obrigado por tudo que vocês tem feito por mim, mesmo sem saber.

Sabe, tenho uma dúvida que me angustia muito. Eu já reparei que muitos gays mais velhos acabam solteiros, vivendo sozinhos e passando a velhice esquecido. Isso acontece com a maioria de nós?

Cleberson, Aquidauana, MS – Via E-mail

Peagá Peñalvez responde:

OWN!!! Adorei o que você falou sobre nós!!! Poxa, temos uma vaga noção de que ajudamos muitas pessoas com nosso site, mas é tão bom saber diretamente de vocês sobre isso. Obrigado por ter feito meu dia melhor. Sério mesmo!!!

Sobre envelhecer eu não sei muito sobre isso porque sou ainda muito novo. Mentira, tenho 31 anos, mas com carinha de 22!!! Clica AQUI e veja a minha foto!!! AHhahauhauahuahuuAHU. Propaganda nunca é demais né???

Agora falando sério. Não podemos saber como será o nosso futuro, nós o construimos diariamente com nossas atitudes e escolhas pessoais. Se você não está afim de permanecer solitário e ter que comprar um cachorro para te fazer companhia, faça por merecer desde novo. Conquiste bons amigos, dê valor a sua família e FAÇA POR MERECER NOS RELACIONAMENTOS que tiver ao longo de sua vida. Não que CASAR seja a coisa certa para você, tem muitas pessoas que não curtem esta coisa de casar, e pode ser que você opte por isso com o tempo. Por isso conquiste as pessoas com boas conversas, boas atitudes que na sua velhice não será nenhum pouco solitária. Se pá você aindavai dar muitas festas para a terceira idade GAY. Ah, se der estas festa, por favor nos convide, porque lá quem vai estar bem velho serei EU!!!

Beijooooos.


Ou clique AQUI

“Após alegar que sofria perseguição no Brasil por ser homossexual, o mineiro Augusto Pereira de Souza, 28 anos, conseguiu asilo nos Estados Unidos.

Vc pensava que asilo era só akele aonde vivem os velhinhos?

Residente na cidade de São Paulo desde os 15 anos de idade, Souza contou ao jornal Folha de S. Paulo sobre os ataques que afirma ter sido vítima. Primeiro teria ocorrido uma repreensão verbal feita pela polícia no Largo do Arouche, enquanto Souza aguardava o início de uma aula de seu curso de hotelaria. O segundo episódio teria acontecido no Parque Trianon, com um grupo de skinheads o perseguindo com tacos de beisebol que teriam pregos e cacos de vidro na ponta. Apesar de Souza contar não ter sido atingido, afirmou ter cortado o pé com os cacos de vidro.

A defesa do pedido de asilo foi feita pela professora Suzanne Goldberg e um grupo de alunos da Clínica de Direito para Sexualidade e Gênero da Universidade Columbia. Amigos de Souza ajudaram no processo com relatos.

Com a obtenção do asilo, o jovem poderá trabalhar no país e dispor de um cartão de seguridade social. No futuro, Souza poderá também iniciar o processo para obter o green card, visto permanente de imigração.

Fonte: GNews.

Leandro Madness Comenta:

)))Meu Deus! Amarrotem-me, pois estou PASSADO! O cidadão aí nem é esperteeeenho, né? Eu sofri perseguição dos colegas de iiiiiiiiiscola desde o primário até o colegial, sempre me zuaram, me tiraram de besheeenha, me ostilizaraaam, eu sofria calado e nunca pensei em pedir asilo à outro país por causa disso, agora to véio, minhas evidências se foram, perdi a chance de conseguir asilo e maybe um Green Card!

Droga, Augusto sua louca varrida, você não podia ter tido essa idéia genial quando eu tinha 8 anos de idade?! Assim teria tido a chance de me inspirar em você e a essa altura seria o correspondente internacional do Blog! Escreveria diretamente da Europa pro DGOQQ! A cada ano pediria asilo político em um país europeu alegando que skinheads me curraram on the streets, in the bathroom and, even, on the dance floor….

Ai, quem nasceu pra senzala não larga o tronco, né não?