Posts com Tag ‘Poliamor’

Preciso de ajuda! Comecei a estudar em uma escola nova esse ano, entrei pro blog da escola e virei super amigo do editor chefe, um garoto do 3º ano.

Não pude evitar, acabei me apaixonando por ele, mas achei que seria algo platônico pois todos acham que ele é HT, e todos dizem que ele namora com uma menina que vive grudada nele. Mas com o passar do tempo nós nos tornamos muito amigos e eu contei que gostava dele. Eentão pra minha surpresa ele disse que tambem estava ‘afim‘ de mim.

Começamos a ficar, e ele me pediu em namoro há duas semanas atrás, mas como ele não é assumido eu prometi que manteria o nosso relacionamento em segredo. Não posso evitar ficar com ciúmes da suposta ‘melhor amiga’, até por que o comportamento dele é estranho em relação a ela, todo o tempo quando eu estou com ele chega sms dela no cel dele e ele não me deixa ver.

Como eu vivo com a pulga atrás da orelha, fui fazer amizade com ela. Então inventei que um amigo estava interessado nela e perguntei se ela tem namorado, e ela me disse que namorava com ele.

Estou muito triste e confuso, qual é a dele??

Se ele já namorava com ela como ele pode me pedir em namoro?

Estou muito decepcionado, não sei nem o que pensar sobre isso. O pior de tudo é que eu realmente gosto dele, e não vou suportar mais ve-lô com ela.

Dinho, via e-mail

Cena do curta-metragem: Poliamor

Hey Dinho, que situação hein?!

É a coisa mais normal namorar caras não assumidos, até porque acredito que sejam boa parte da população gay, que vive uma ‘vida dupla’, com medo que o preconceito e a intolerância se aproximem deles. Eu entendo seu namorado não assumir, mas sempre sou a favor da verdade, por isso EU me assumi, mas cada caso é um caso, e cada um sabe o que é melhor pra si.

Acho que o melhor a se fazer é conversar com ele abertamente, e falar com todas as letras o que essa menina te falou, e abrir seu coração para o namorado e contar sobre sua insegurança a respeito dela e do relacionamento. As vezes ele acha que você convive bem com essa amizade e acaba por usá-la como fachada para uma falsa heterossexualidade. Conversar não mata, apenas torna o relacionamento mais forte e fundamentado na confiança e segurança de ambas as partes.

O que pode acontecer é que ele seja bissexual e namore com os dois ao mesmo tempo. Isso não é difícil de acontecer no universo gay. Uma forma fácil de descobrir é conversando e perguntando na cara dura o que ele sente/tem com essa menina. A parte dela você já sabe, ela se diz namorada. ~ELA SE DIZ~ mas até ser namorada de verdade são outros 500.

Semana passada aqui no blog comentei sobre o curta-metragem Poliamor. Você leu? Se não leu fica a dica, porque pode ser algo interessante se o fato dele namorar os dois ao mesmo tempo se confirme, viu?

Cinemão: Curta-Metragem Poliamor

Publicado: 13/07/2012 por @peagapenalvez em Cinemão
Tags:, , , , , , ,

Cinemão Curta-Metragem Poliamor Gays Gostam

Foto: Divulgação

Sexta-feira é dia de cinemão aqui no DQOGG. Hoje falaremos sobre um curta-metragem chamado Poliamor. Em uma sociedade na qual predominam valores afetivos monogâmicos, algumas pessoas escolhem um arranjo de relacionamento um pouco diferente e é sobre isso que fala o curta-metragem dirigido por @ZéAgripino.

O diretor Zé Agripino teve a ideia do curta-metragem durante um dos semestres da curso de Audiovisual que cursava, durante uma pesquisa em seus arquivos descobriu uma matéria sobre o tema. Daí para começar a pesquisa foi um passo. Achou um grupo de discussão no Orkut com depoimentos de pessoas que vivenciavam o Poliamor. Pronto, a ideia estava pronta.

Cinemão Curta-Metragem Poliamor Gays Gostam

Foto: Divulgação

Para achar os entrevistados usou as redes sociais e o retorno foi bem significativo, já que diversas pessoas responderam seus tópicos captando pessoas para participar de seu projeto.

Ao ser perguntado se ainda há espaço para o amor-romântico e a monogamia, o diretor respondeu:

Acredito que o amor romântico e o padrão monogâmico é algo que aos poucos está se tornando defazado para atender as reais necessidade das pessoas. Não é dificil pensar muito pra perceber que o nosso padrão atual de afetividade não dá conta. Exempos dissso são os casos de traições nos casamento e todo o comércio em torno do sexo. Vivemos tempos de muita hipocrisia, que se mantém uma vida afetiva de fachada enquanto se busca outra. Acho que a popularização do poliamor faz parte do início de uma mudança dos padrões afetivos e sexuais para uma busca de relações e vivências mais saudáveis que deem conta das reais necessidade das pessoas. Acredito que quando a atenção do relacionamento sair do casal, as pessoas poderão viver melhor sem precisar que uma outra pessoa te complemente. Acho que dividir o seu amor com mais de uma pessoa, fará as pessoas perderem as dependências, as vezes doentia, do seu outro, do seu par. E quando isso acontecer as pessoas vão amar melhor‘.

Dá o play e assista o curta-metragem aqui no blog:

|Ficha Técnica|
|Documentário|Brasil|15 min|2010|
|Direção| Zé Agripino
|Roteiro| José Agripino
|Produção| Letícia Borazanian
|Fotografia| Julio Brunet
|Som direto| Ruy Fialho
|Montagem| Fábio Aguiar
|Trilha Sonora Original| Gui Ferrari
|Atores| Haroldo Miklos, Tamayo Nazarian, Bruna Guerin